Itália - Milão

Itália - Milão

 

Roteiro: Milão em dois dias

Chegamos em Milão no último dia do outono de 2015. Aportávamos a belíssima cidade do norte italiano vindos da não menos bela Suiça, pais que muito nos encantou. O primeiro choque em Milão é, sem dúvida, e exuberante estação de trem da cidade. Uma obra de arte imensa! Nosso hotel, propositalmente, não estava muito longe dali. Foi só nos instalar e, no dia seguinte, iniciarmos nosso roteiro, um planejamento pensado para um visitante de primeira viagem naquela cidade. Esperamos que possa ser útil para você também!

 

Primeiro dia:

 

De preferência cedo, encaminhe-se para aquilo que, em nossa modesta opinião, é o ponto alto da visita à Milão: o Duomo, ou Catedral de Milão. Vale muito à pena arcar com os custos da visita ao Duomo, que incluem entrada na igreja, visita ao sítio arqueológico em seu subsolo e, por fim, a caminhada no terraço da igreja. Cada uma dessas etapas tem diferentes atrativos.

 

Exuberante, não?

 

A igreja encanta pela sua beleza e dimensão. Como outras da Europa, nos chama a atenção suas caracterísitcas góticas. Não é por menos, trata-se de uma construção do século 14 que, desde então, tem passado por importantes modificações. 

 

A nave da igreja

 

Atentar para o piso

 

No subsolo o visitante encontrará os vestígios de uma igreja e o batistério antigos. Isto é, o Duomo fora construido por cima de uma igreja ancestral!

 

Acesso ao sitio arqueológico

 

No sitio arqueológico

 

O antigo batistério

 

Por fim, sua visita terminará literalmente no auge. A vista incrível que temos a partir da terreço é de tirar o fôlego!

 

No telhado!

Que vista, hein!

 

Todo esse passeio consumirá, pelo menos, uma manhã (caso você chegue realmente cedo). Dali se dirija à famosa galeria Vittorio Emanuelle II. Dizem que se trata do mais antigo shopping do mundo. Sua construição foi concluida em 1877 e sua razão foi servir, obviamente, a nobreza e os poderosos. Hoje vemos mutidões de turistas plebeus tomando seus corredores chiques, repletos de lojas que ditam o figurino pop internacional.

 

O fausto

 

Está com fome? Ali perto terá acesso ao não menos famoso Panzerotti do Luini. É tão famoso, tão famoso que multidões se acotovelam em uma longa fila para experimentar sua iguaria. Sinceramente, resolvemos não ocupar nosso precioso tempo na fila. Comemos em outro lugar.

 

O Luini

 

A fila que virava a esquina

 

Se for chegado às artes, saiba que nas redondezas também encontrará a Pinacoteca Ambrosiana. Se não tens pernas de atleta certamente estará bastante cansado, como estávamos depois disso tudo. Terminamos a noite comendo alguma coisa nas proximidades do hotel.

 

Segundo dia:

 

Comece a manhã em um espaço interessantíssimo: o Parque Sempione! O parque data de 1890 e está repleto de atrações. Podemos garantir que sua manhã poderá ser bem preenchida por lá. Se tiver na companhia de filhos pequenos - como foi o nosso caso - é possível que encontre resistência na hora de dizer: "vamos embora"!

 

Uma boa área para caminhada e relaxar!

 

 

Espaço para exposições e aprendizagem!

 

 

Atentar para o teto!

 

Estávamos bastante cansados. À caminho do hotel, depois do almoço, fizemos uma parada estratégica no Jardim Indro Montanelli. Não tem a mesma graça e riqueza de atrações de um Sempione, mas, sem dúvida, é também uma área generosa, com bons bancos para contemplação do verde e dos lagos. Há também um parquinho para crianças. 

 

Importante: há um museu de história natural no parque!

 

Mais informações sobre sua viagem:

 

Onde ficar? Milão não é uma cidade exatamente barata. Trata-se de um centro financeiro e de negócio da Itália, os preços acompanham a vida do business. Nessa hora acho que vale a pena ser conservador, mas também não apelar para qualquer lugar. O que queremos dizer? A cidade de Milão não é nada pequena. Instalar-se na periferia certamente representará um problema em termos de mobilidade e gastos com transporte. Nossa opção foi engatar o bom e velho Ibis. O Ibis Milano Centrale está situado há cerca de 15 minutos de caminhada da principal estação de trem da cidade e há cerca de 20 ou 30 minutos de caminhada das principais atrações da cidade. Para que tenham uma ideia, não usamos qualquer transporte público na cidade.

 

O Ibis

 

Quando ir? Milão está situada no extremo norte da Itália. No inverno, portanto, costuma fazer bastante frio. Em nossa estada, não enfrentamos temperaturas muito drásticas, o que muito ajudou nas caminhadas que, como se pode ver acima, não foram poucas. No verão, no entanto, a cidade pode ter dias muito duros de calor. Estivemos, há muitos anos atrás, durante o verão italiano e, podemos garantir, o calor atrapalha bastante. Idealmente, se não gosta de temperaturas altas e muito baixas, o negócio é visitar a cidade nas estações intermediárias, quando, inclusive, os preços devem estar menos salgados.

 

O que mais? Bem, a Itália é mesmo um pai incrível. O circuito que fizemos - Milão, Florença, Roma e Veneza - foi absolutamente perfeito. Não nos arrependemos de nada. No entanto, quando examinamos essas cidades comparativamente, sem qualquer dúvida, podemos dizer que Milão é, em nossa opinião, a menos interessante de todas. Que fique claro que esta opinião se sustenta em nosso perfil de viajante: viajamos com criança. Milão, como dissemos, é uma cidade de negócios. Há importantes atrações na cidade, mas tivemos a impressão que o seu forte - ou uma de suas qualidades - é a vida noturna. Nós não viajamos com expectativa de curtir a vida noturna. Nosso roteiro envolve, essencialmente, visita à lugares públicos, museus e outras atrações culturais. Somos, portanto, diurnos. Sob esse ângulo, Florença, Roma e Veneza deram um verdadeiro banho! 

 

 

Ora, está em Milão, que tal?

 

Roteiro para Roma

 

Roteiro para Florença

 

Roteiro para Veneza

 

 

Tem perrengue? Alguns, acesse aqui

 

 


 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!