Roteiros que deram certo: Reino Unido

05/05/2018 19:03

 

Está é a segunda matéria da Série "Roteiros que deram certo". Na primeira delas, em que tratamos do leste-europeu, discutimos acerca das razões que devem presidir a construção de um roteiro, digamos, mais extenso. No geral podemos resumir tudo com alguma coisa que envolve senso de oportunidade. Vamos visitar um lugar, o que podemos fazer em um dado raio geográfico? O que devemos considerar nessa costura? Custo-benefício; disposição e vontade....etc

 

O guarda da rainha!

 

Fomos duas vezes à Londres. A cidade fazia parte de um sonho antigo. Muito em parte pelo gosto e influência da música inglesa no cenário brasileiro durante os anos 80 e 90 do século passado. Uma primeira visita se deu a partir de um bate-volta em nossa estada em Paris no ano de 2013. Foi uma visita rápida que só nos alimentou a vontade de melhor conhecer a capital inglesa e, eventualmente, outras cidades do pais, inclusive dos países vizinhos. Isto foi possível em 2014 (e, no caso da Irlanda do Norte, em 2017).

 

Uma menina de perna quebrada em Londres!

 

Nossa chegada à Londres, infelizmente, ficou marcada pelo acidente de Laura em nosso primeiro dia. Um acidente que, obviamente, gerou consequências para a viagem, mas que serão ignorados nessa matéria. Maiores informações acessem aqui.

 

Mas, indo ao ponto, qual é a nossa sugestão de roteiro afinal?

 

Eis: Londres -- Edimburgo -- Manchester -- Liverpool ( - Belfast)

Um roteiro essencialmente insular, logo relativamente compacto e fácil de ser realizado. O sistema de transporte muito ajuda para isso, nós preferimos combinar dois modais de transporte: trens e ônibus. O ônibus costuma ser mais barato, mas, obviamente, não é mais veloz que o trem. Além disso, o trem tem um charme que o ônibus não passa perto. Por essa razão fizemos boa parte dos deslocamentos de trem, deixamos o curtíssimo percurso Manchester-Liverpool para a estrada.

 

Camden Town, Londres

 

Como era de se esperar, o Reino Unido oferece um turismo de altíssima qualidade. Há, contudo, alguns probleminhas que se encontram descritos aqui.

 

Nada mais londrino

 

Costuma-se chegar ao UK por Londres. Londres? Ahhh Londres! Quanta coisa se tem para fazer nessa cidade! Museus absolutamente incríveis! Sinceramente, pelo menos 4 dias, por favor! Nossas sugestões para a capital inglesa encontram-se organizadas aqui. De Londres até a outra ponta da ilha são cerca de 5 horas de trem. Chegamos em Edimburgo numa noite fria de inverno. Foi uma chegada que até hoje nos impressiona. A cidade, sem dúvida, está entre as mais belas e interessantes que tivemos oportunidade de visitar. À noite, as luzes acesas, castelos iluminados, foi realmente um assombro. Uma coisa relativamente chata da cidade são as ladeiras. Aqui temos sugestões específicas para quem visita a cidade a encantadora Edimburgo (ou simplesmente Edimbra, como se pode chamar carinhosamente)

 

O famoso Castelo de Edimburgo

 

De Edimburgo para Manchester é quase um pulo. Uma viagem que pode ser feita sem muito cansaço de trem. A paisagem é absolutamente incrível, planíceis e planaltos com muitas ovelhas e muitas fazendas. Não se pode dizer que Manchester seja uma cidade assim muito adorável e bela. Foi há séculos atrás o centro da revolução industrial. Sua aparência fabril, com suas paredes de tijolinhos vermelhos, é a maior marca da urbes. Mas há algo mais: em Manchester estão os dois museus mais fantásticos que conhecemos, entre os muitos que tivemos oportunidade de conhecer no mundo. Falamos do Imperial War Museum e do Museu de Ciência e Indústria (MOSI). Maiores informações sobre a cidade clique aqui.

 

O centro histórico da cidade de Manchester

 

Liverpool está bem ali ao lado de Manchester. De ônibus gastamos alguma coisa como uma hora e pouco de viagem. Manchester não encanta pela beleza, mas não se pode dizer o mesmo de Liverpool. A cidade é muitíssimo interessante e, quase como Manchester, também abriga museus bastante convidativos. Clique aqui para ter acesso às nossas dicas e sugestões para Liverpool.

 

O porto da cidade de Liverpool

 

Mais recentemente, em janeiro de 2017, tivemos oportunidade de visitar mais um pedacinho do Reino Unido: fomos à Belfast, na Irlanda do Norte. A despeito de ser também parte do "reino", Belfast foi uma outra investida. Nós queriamos conhecer a "ilha ao lado"! Então visitamos Dublin e arredores e Befast. Dicas e sugestões para Belfast, clique aqui

 

O centro histórico de Belfast

 

 

Onde ficar? Essa não é uma pergunta banal para quem visita o Reino Unido, especialmente Londres. O preço das diárias dos hotéis costuma ser salgadíssimo. Nós adotamos diferentes estratégias, todas elas estão referidas nos roteiros indicados acima. Regra geral adotamos nosso padrão: estadia no raio do centro de visita e interesse. Em nossa opinião economia com estadia distante é logo engolida pelo cansaço e pelas despesas com transporte urbano. 

 

 

Quando ir? Precisamos reconhecer que somos amantes do frio. As nossas três visitas ao Reino Unido se deram no inverno. Mas, ao mesmo tempo, precisamos reconhecer também que há um problema importante nessa época. E não pense o visitante que seja o frio, regra geral ele é bastante suportável se comparado a outras cidades européias. O problema mesmo é a chuva. Em nossas visitas enfrentamos um fenômeno típico: uma onda de chuva que bem atrapalha a visita. Por exemplo, em nossa segunda visita ao UK a chuvarada foi tão intensa que não pudemos colocar os nossos pés molhados em Glasgow, na Escócia. Foi chato. Nas demais estações do ano esse problema parece ser menos importante. No entanto, só porque somos teimosos, lamentamos, pois o UK no inverno, com sua névoa fria e eventual neve, são imbatíveis.  

 

Outras matérias da série "Roteiros que deram certo":

 

Itália

Chile

Espanha