Roteiros que deram certo: leste-europeu

11/05/2018 17:23

 

Quando viajamos para o exterior, dado o deslocamento e investimento financeiro feitos, comumente fazemos aquela costura inter-cidades, certo? Combinamos visita aqui e ali e quando vemos percorremos uma boa dose de quilômetros. Pode parecer uma coisa simples, mas há alguns cuidados que devem ser observados na construção desses deslocamentos, como transporte (tempo e valor), horários de saída e chegada; estadia etc.

 

A partir desta matéria vamos tratar dos roteiros inter-cidades e/ou países que, em nossa experiência, revelam-se convenientes e interessantes. O primeiro deles envolve uma boa perambulada pelo leste-europeu. Vejamos:

 

Estação de Frankfurt

 

Em primeiro lugar, quais são as vantagens de ir ao leste-europeu? A primeira coisa que merece ser dita é que a região reune cidades e países absolutamente fantásticos. A beleza das cidades e a riqueza cultural tornam a região um atrativo de primeira grandeza. Um segundo aspecto muito importante diz respeito à relação custo-benefício. Cidades como Paris e Londres, como todos sabem, constituem destinos cujos valores de estadia, passeios etc não são nada desprezíveis. Não queremos dizer que não valham à pena, o que estamos dizendo é que é um tipo de turismo, em termos relativos, mais caro. O leste-europeu, ao contrário, oferece um turismo de altíssima qualidade com valores mais em conta.

 

Uma coisa interessante no leste-europeu em dezembro: as feiras de natal!

 

Há cerca de duas décadas atrás, precisamos confessar, turismo no leste da Europa tinha um componente de aventura. Poucos eram falantes da língua inglesa, dominava o alemão, russo e outras línguas misteriosas (maiores detalhes clique aqui). Hoje esse problema encontra-se efetivamente superado. É verdade que, quanto mais à leste, maior ainda a dificuldades com a língua inglesa, mas nada que atrapalhe muito a vida do viajante. Em cidades como Budapeste, nos principais pontos turísticos o visitante encontrará facilmente um falante de língua inglesa. Há outras dificuldades? Claro que sim, como qualquer outra cidade. Maiores informações vejam nossa seção sobre problemas e perrengues.

 

Vamos ao que interessa! O que há de certo, em termos de roteiro, para o leste-europeu? Nossa sugestão é a seguinte:

 

Berlim -- Praga -- Viena -- Budapeste -- Salzburg -- Frankfurt.

Berlim é uma cidade absolutamente fantástica. Rica, sob qualquer aspecto. Seus museus são um capítulo à parte (quer sair mais? Clique aqui). Neste link o viajante tem acesso à um roteiro para dois dias bem vividos em Berlim. Em nossa opinião, contudo, Berlim merece pelo menos o dobro. Praga é um destino relativamente próximo de Berlim. Uma cidade que merece ser conhecida. Como sair de Berlim? Se economia for sua intenção, saiba que ônibus tem o melhor preço. É também a viagem mais demorada, consumirá tempo precioso de viagem. Outra possibilidade são os famosos vôos low cost. Com antecedência será possível adquirir bilhetes bastante baratos. Lembre-se, contudo, de duas coisas: só valerá à pena caso não tenha bagagem grande (mochilas são a melhor opção). Lembre-se também que, como regra, esses vôos operam em aeroportos bastante periféricos, muitas vezes distantes e de difícil acesso. O tempo e dinheiro que se economiza com o avião poderá ser abocanhado com a saída ou chegada no aeroporto. Uma opção tradicional e relativamente barata (caso compre com antecedência) diz respeito aos trens

 

O famoso Muro de Berlim

 

Nós fizemos todos os percursos de trem e não nos arrependemos. Trem é a cara da Europa, tem todo um charme neste modal de transporte. Aliás, não é só um transporte, faz parte do roteiro curtir a viagem sob o barulho da ferrovia. As paisagens, é claro, são incríveis. 

 

Praga é uma cidade relativamente compacta. É possível conhecer seus principais pontos turísticos em uma visita de um ou dois dias (detalhes aqui). Imaginamos que, ao sair de Praga rumo a também belíssima Viena, já tenha consumido cerca de 5 dias de seu roteiro. Viena merece atenção. Comprativamente à Praga, Viena é maior e tem atrações mais dispersas e grandiosas. É uma de nossas cidades preferidas! Tivemos a impressão de que, com relação às demais deste roteiro, é a mais cara de todas. 

 

Se orientar não é exatamente fácil

 

Daí seguimos para a igualmente belíssima Budapeste. Não se assuste com a chegada. A estação Keleti não ajuda, feia, suja, não combina com a majestosa cidade que um dia fora parte do Império Austro-hungaro. Budapeste foi uma boa surpresa! Os preços são absolutamente excelentes! Lembre-se, aliás, que aqui você estará fora da zona do euro. Fora e com vantagens! Com euros em mãos seu poder de compra na capital da Hungria é total. Nós, por exemplo, tivemos chance de alugar um apartamento absolutamente formidável por valor excepcional! Ficamos muito satisfeitos!

 

Vista do incrível Castelo de Buda, em Budapeste

 

A cidade merece, pelo menos, três dias cheios ou talvez quatro ( detalhes aqui )

 

Até Budapeste fizemos todos os percursos de trem em horários diurnos. Saíamos cedo e chegávamos em nosso destino normalmente no horário do almoço, ainda em tempo de aproveitar a cidade no dia de chegada. Ao sair de Budapeste não tivemos muitas opções. Havia poucas ofertas de passagens online (e olha que compramos meses antes!). Saimos de Budapeste às 21:30 rumo a pequena Salzburg, na Áustria. Foi uma viagem um pouco tensa. Alguns jovens que não inspiravam confiança não nos animavam a dormir na cabine. Ficamos acordados até as 2:30, quando chegamos em Salzburg. O frio era de rachar naquele início de inverno europeu. Apesar das tensões e do desconforto inicial, deu tudo certo, sem queixas!

 

O centro histórico de Salzburg

 

Salzburg é uma cidade que parece parte de um cenário de filme. Tudo é tão belo, e sob o contraste das montanhas nevadas ao fundo, que realmente faz lembrar uma espécie de cidade encantada. É bastante pequena. Achamos que um dia inteiro é o suficiente para conhecer seus principais pontos turísticos (Ver matéria)

 

Uma joia chamada Viena!

 

Chegávamos ao final de nossa viagem! Em Frankfurt embarcaríamos no vôo que nos levaria diretamente ao Brasil. Mas, obviamente, chegamos antes, o sofuciente para conhecer um pouco dessa cidade alemã (Ver matéria)

 

Onde ficar? Tivemos muito boas experiências - como em Viena e Budapeste. Tivemos também experiências pouco empolgantes, mas nada que se configurasse como um efetivo problema. Vejam em nossos roteiros, acima indicados, nossas sugestões de estadia!

 

 

A dica é o de sempre, organizem a viagem com antecedência, estudem com cuidado o roteiro. A viagem não só ficará mais segura como também mais barata.

 

 

Quer dica sobre organização geral de viagem? Acesse aqui.

 

A série "Roteiros que deram certo" continua:

 

Chile

Itália

Espanha

Reuno Unido