Irlanda: quais os perrengues mais comuns?

02/04/2017 20:57

 

"Os perrengues mais comuns" é uma das etiquetas mais visitadas de nosso blog (clique aqui). É natural que seja assim, pois quando planejamos uma viagem logo queremos saber a respeito dos problemas locais. Isto é, não basta saber do paraíso, é preciso conhecer também as possibilidade de o sonho se transformar em uma espécie de pesadelo. Vamos ser francos? Não há viagem desprovida de perrengue, mesmo que seja aquela bobagem sem maiores consequências ou o mico mais banal.

 

No aeroporto em Dublin

 

Dito isto, podemos adiantar que a Irlanda (ou melhor as Irlandas) é um destino bastante tranquilo. Seria mais fácil escrever sobre as vantagens de se conhecer aqueles dois paises (República da Irlanda e Irlanda do Norte). Mas, vamos lá, vamos fazer jus è etiqueta acima.

 

 

Segundo nossa experiência, recentemente vivida (janeiro de 2017), o momento de maior tensão naquele pais se deu justamente na entrada. Se comparado à outras experiências que tivemos, inclusive a temida imigração dos Estados Unidos, a irlandesa se mostrou um pouco chatinha. Tivemos que mostrar vouchers, dar explicações, enfim, responder perguntas. Por todo o tempo a oficial de imigração foi muito afável, mas - não tem jeito - é uma situação incomum e relativament tensa, pelo menos para a gente. 

 

 

A primeira razão para o "interrogatório" diz respeito à grande quantidade de brasileiros na República da Irlanda. Ao caminhar pelo centro da cidade, não será raro que o visitante ouça o bom e velho português à brasileira. Pubs e restaurantes costumam empregar estrangeiros para fazer aquela abordagem na rua, em alguns deles vimos brasileiras. Até no Mc Donalds tinha uma brasileira de Curitiba. Tomando, portanto, essa irresistível vontade que os brasileiros tem de permanecer no pais, explica-se a abordagem da Imigração.

 

 

O centro da cidade de Dublin

 

A segunda razão só descobrimos quando nos encaminhamos para a Irlanda do Norte, pais que faz parte do Reino Unido. Observamos que não há qualquer check nas fronteiras, a passagem é absolutamente livre. Isso quer dizer que o momento mais duro para fazer check de segurança para entrada no Reino Unido (incluindo Inglaterra) se dá na Imigração em Dublin, isto é, fora do Reino Unido. Pode parecer estranho, mas faz todo o sentido. Acontece que é muito mais fácil controlar a entrada no aeroporto do que numa fronteiro terrestre, certo? Em termos práticos, isto quer dizer que a dureza da entrada na República da Irlanda (que não faz parte do Reino Unido) leva em consideração a real possibilidade de você se dirigir à terra da rainha.

 

Nós, rumo à Belfast!

 

Passado esse perrengue, que dependendo de quem chega pode ser mais ou menos chato, não registramos qualquer problema nas Irlandas. É verdade que o centro de Dublin (ao contrário do centro de Belfast) não inspira muita confiança. Há uma aparência de certa decadência, vestígios que certamente foram reforçados pela grave crise financeira interncional ocorrida em 2007, cujo epicentro foi Dublin. No entanto, os irlandeses são muitíssimos simpáticos e solícitos. Não temos qualquer registro de problemas.

 

O centro de Belfast

 

Com relação a Belfast, só registramos alguma sensação de insegurança quando nos dirigimos para região em que há (ainda) um muro que divide católicos e protestantes. A parte católica nos pareceu bastante decadente, suja e vazia. Resolvemos não ficar ali por muito tempo. 

 

Tudo o mais é curtir esses paises incríveis! 

 

Matérias relacionadas:

 

Roteiro para Dublin

 

Roteiro para Belfast