Como calcular os gastos de viagem?

06/08/2014 10:53

 

Eis um importante problema de todo viajante: antes, durante e, em alguns casos, legado complicado de uma viagem. Afinal, como calcular os gastos de viagem? 

 

Há indicadores conhecidos, como o famoso ìndice Big Mac. Ele consiste em um índice calculado com base no valor do sanduiche Big Mac em mais de cem países do mundo. Pelo valor do sanduiche seria possível dimensionar os gastos, ao menos, com alimentação em um dado local.

 

Francamente, jamais utilizamos esse indicador. Ele pode ter sua utilidade, como uma perspectiva de preço médio de fast food local. Ele, portanto, supõe que você será consumidor desse tipo de mercado. Como não é o nosso caso, achamos que ele poderá nos conduzir à ciladas e equívocos no dimensionamento dos gastos de viagem. Vamos explicar o nosso raciocínio.

 

Você sabe a diferença entre ir em um restaurante e pedir um vinho específico ou pedir o vinho da casa? A diferença não precisa ser exatamente de qualidade, mas certamente será de preço. O vinho da casa é sempre o mais barato, sem ser, necessariamente, o de pior reputação ou qualidade. A mesma lógica pode ser aplicada a outros bens e serviços. Por exemplo, em Paris, se fizer a opção pela popular baguete, queijo e um bordeaux, certamente não gastará mais do que alguns poucos euros. É uma espécie de refeição popular por aquelas bandas. Em Washington te diria o mesmo com relação ao hot dog. Em todo Reino Unido exatamente a mesma coisa pode ser dita com relação as famosas fish and chips e assim por diante. Ou seja, todo local tem um menu barato que poderá ser enfrentado, com maior ou menor diginidade, e certamente com preços muito razoáveis. Se, ao contrário, fizer a opção pelos restaurantes ditos convencionais, tenha certeza que estará submetido a outro regime de preços, mais robusto, certamente.

 

É claro que, a depender do tempo de duração da viagem, não será conveniente comer hot dog ou baguetes todos os dias, certo? O orçamento poderá, então, considerar um ou mais dias com gastos adicionais previstos, você sabe, naquele restaurante mais interessante.

Sendo assim, caso opte pelo "menu popular", basta uma pesquisa na internet, não será difiícil saber o valor médio dele.

 

Deve-se somar gastos como museus e outras visitas pagas. Caso tenha construido seu roteiro com o cuidado que ele merece (sobre o assunto ver: laura-no-mundo.webnode.com/news/bastidores-trabalhando-um-roteiro/), já saíra com visitas mais ou menos definidas. Basta, então, consultar o site dessas atrações e ver o valor do ingresso de entrada. Não tem mistério. 

 

O mesmo trabalho que enfretou para elaborar o roteiro (vide link acima) permitirá prever deslocamentos a pé ou por intermédio do transporte público local. A distância e a quantidade de deslocamento deverá ser considerada para fins de decisão do tipo de transporte (ônibus, metrô, trams ou bondes) e a modalidade de gasto (se bilhete single, se cartão semanal e assim por diante).

 

Supondo que já tenha realizado gastos com passagens aéreas e estadia, os gastos locais se resumem à alimentação, transporte e ingressos. Lembracinhas e compras ficam por sua conta!

 

Boa viagem