Washington: quais são os perrengues mais comuns?

29/08/2014 18:24

 

A capital dos Estados Unidos foi uma das cidades mais interessantes que tivemos oportunidade de visitar. Não que seus atrativos estejam exatamente acima de cidades como Londres e Paris, ou mesmo que seja mais bela do que outras. Falamos de alguma coisa difícil de ser expressa, de um clima bacana, de gente solítica e simpática que, a todo tempo, tivemos sorte de nos deparar naquela cidade.

 

 

Além desse clima, há algo de muito objetivo: o conjunto de museus que fazem parte do complexo do Smithsonian (ver:laura-no-mundo.webnode.com/news/o-smithsonian-e-o-museu-de-historia-natural%3a-divers%C3%A3o-garantida/). Tudo isso faz dessa cidade um local que nos obriga o retorno.

 

Mas, obviamente, nem tudo são flores. Há alguns probleminhas. Vejamos.

 

1) De longe o problema mais importante não é a cidade propriamente dita, mas suas portas. Falamos da imigração. Nossa experiência com a imigração em Washington não é boa. Não fomos destratados, ou sofremos qualquer tipo de constrangimento direto em nossa entrada. Exceto pelas cerca de 3 horas que permanecemos em pé, em uma longuissima fila em que se ouvia crianças chorando, velhos dando nítidos sinais de esgotamento. Falamos de alguma coisa como um salão com passageiros provenientes de, pelo menos, 3 vôos transcontinentais (Austrália, Brasil e Etiópia). Todo mundo ali para ser atendido em apenas 3 guichès. Fiquei imaginando se isso acontecesse em uma capital brasileira, pronto, a sindrome de vira lara logo se manifestaria. Mas não foi no Rio de Janeiro, em São Paulo ou em Brasília, mas na capital dos Estados Unidos. Traumática a chegada. Espero que tenha sido um caso atípico. 

 

 

2) Um segundo problema, esse seguramente crônico, diz respeito à alimentação. Tenho a impressão de que os norte-americanos não almoçam, mas comem sanduiches apenas. Tudo, é claro, regado à boas doses de coca-cola. Curioso ver, nas redondezas do centro burocrático da cidade, todas aquelas pessoas muito bem vestidas e alinhadas fazendo fila para comer um hotdog em um trailler. É a dieta nacional! Fast food. Não é fácil seguir outra dieta, uma vez que os bons restaurantes tem preços pouco convidativos. Em compensação, os supermercados impressionam pela variedade. Há de tudo, desde o lixo fast food, até supermercados inteiramente expecializados em comida natural, sanduiche natural, cervejas artesanais etc. Como ficamos em um apartamento, pudemos fazer uso da cozinha e diversificar nosso envenenamento com a culinária local.

 

 

3) Washington é uma cidade para andar a pé, boa parte de suas atrações estão situadas em um raio que permite caminhadas relativamente tranquilas e agradáveis. O transporte público é de boa qualidade. Ainda que não tenhamos tido oportunidade de testar os ônibus, usamos bastante o metrô, que é muitíssimo eficiente. Atentar, contudo, para a verdadeira engenharia que é entender o seu funcionamento (Ver: laura-no-mundo.webnode.com/news/desvendando-o-intrigante-metro-de-washington-dc/). Além disso, caso, contudo, queira fazer uso de táxi, atente para o seguinte: boa parte da frota da cidade é guidada por imigrantes etiopianos e, talvez, do afeganistão, já não nos recordamos. Enfim, são pessoas com um inglês muito peculiar e diversificado humor: poderá se deparar com um simpático que puxa conversa afiada, mas poderá também se deparar com alguns que te provocará a impressão de que será empurrado do carro. Não pude deixar de notar que alguns deles, por exemplo, não dirigem à palavra às mulheres! Podia a mulher fazer uma pergunta a ele, ele a respondia somente ao homem! Nos perguntamos se no taxi tivesse apenas mulheres?

 

4) Por fim, voltando a questão da porta de entrada, isto é, o aeroporto, cabe dizer que o International Dulles, um dos principais aeroportos de entrada à cidade (sobretudo de quem chega de vôos internacionais) está situado em um ponto bastante distante do centro da cidade de Washington. Tàxi é para poucos, nesse caso. Há serviços de transfer. Fizemos uso do metrô, e não nos arrependemos. Nesses casos, atente para: laura-no-mundo.webnode.com/news/washington-do-international-dulles-para-washington-dc/)

 

Uma sugestão de roteirolaura-no-mundo.webnode.com/products/washington-dc-em-dois-dias/