Uruguai: quais os perrengues mais comuns?

19/07/2016 19:30

 

Antes de tudo, cabe dizer que o nosso vizinho Uruguai constitui uma boa alternativa para turísmo. O pais é acessível, especialmente para os brasileiros do sul, sudeste e parte do centro-oeste. É claro que brasileiros do norte e nordeste do pais também podem visità-lo, mas obviamente o percurso é mais indigesto. Seja como for, é um pais acessível, inclusive no que se refere à burocracia de imigração, bastando um documento oficial com foto e, pronto, se tem acesso às ruas do pais.

 

Tinhamos as mais altas expectativas com relação à nossa visita ao Uruguai. O pais tem fama de organizado, de ter povo acolhedor e simpático e de ter boa infraestrutura de transporte e estradas. Parte dessas expectativas, infelizmente, se frustraram. Vejamos:

 

Há controvérsias sobre a pertinência de se fazer conversão de moedas na hora das compras. Se fizer, verás que os preços uruguias por vezes são um pouco mais indigestos.

 

 

1 - Não se pode dizer que o pais seja barato. Não se iludam com o efeito mágico da conversão de moedas. A troca de poucos reais pode gerar uma quantia vultosa de pesos uruguaios, certo? Mas veja quanto custa um simples refrigerante? Alimento; transporte, especialmente taxi; estadia, nada disso é barato. Em alguns casos - por exemplo, alimentação e táxi - tivemos a impressão de que os preços são mais caros do que o que praticamos no Rio de Janeiro. Observem que o Rio de Janeiro não é uma cidade barata.

 

A parte turística da Cidade Velha

 

2 - Em geral os turístas se instalam na Cidade Velha. Ela reúne boa parte das atrações turísticas da cidade, portanto, faz todo sentido que seja encarada como um local de maior fixação de visitantes. Nós fizemos o mesmo. No entanto, assusta o nível de degradação e sujeira dessa região. À princípio o visitante poderá pensar que se trata de uma realidade de toda a cidade, mas não é. Basta uma visita à Pocitos que logo verá que, ali, a realidade é outra. Além da sujeira, especialmente do excesso de bosta de cachorros pelo chão, o visitante também deverá estar atento com os assaltantes na região da Cidade Velha. Deixe-nos ser claros: a sensação é, de fato, de insegurança. Seria uma sensação até que um uruguaio, ao notar que éramos estrangeiros, nos abordou e pediu que tomássemos cuidado com os gatunos nas ruas da região. Então pensamos que havia um motivo concreto para ficarmos preocupados e, especialmente, evitar caminhadas noturnas por ali. Esse tipo de relato coincide com o de outros visitantes em blogs e no booking. Sendo assim, olhos abertos, ok?

 

A parrilada!

 

 

3 - Não que seja exatamente um perrengue, mas ficamos com altas expectativas com relação a culinária, especialmente as carnes. Depois de algumas experiências ficou claro que a maneira como os uruguaios fazem seu churrasco muito difere da forma como fazemos. As carnes, por exemplo, parecem não passar por um processo mais cuidadoso de salgamento ou de uso de temperos. Elas vem assadas, mas - para os nossos padrões - meio sem gosto. Foi uma decepção, precisamos confessar!

 

Leia mais:

 

Sugestão de roteirolaura-no-mundo.webnode.com/products/uruguai-montevideu/