Katyn: os horrores da guerra

23/04/2014 10:18

Quem assistiu ao filme, de nome Katyn (2007), dirigido por Andrzej Wajda, sabe do que estamos falando. Trata-se de uma execução em massa de militares e cidadãos acusados de espionagem, todos poloneses, durante a Segunda Guerra Mundial. Ocorreu entre abril e maio de 1940, sob a aprovação de Stalin, então dirigente da União Soviética. Calcula-se cerca de 22 mil vítimas. Os alemães são os primeiros a se deparar com os corpos enterrados na floresta de Katyn e imediatamente percebem uma oportunidade para usar essa informação com a finalidade de alertar o mundo sobre o perigo do comunismo. O governo soviético, é claro, imediatamente negou a autoria daquilo que entraria para a história como Massacre de Katyn. 

 

Ao final da grande guerra, o genocídio acabaria, por razões políticas, por ser arquivado, não indo, portanto, ao derradeiro julgamento no chamado Tribunal de Nuremberg. Somente em 1989 é que o governo da moribunda União Soviética reconhece a autoria dos assassinados.

 

Estivemos na região em agosto de 1996. Apesar de estarmos sob o verão, era bastante frio. Um caminho de terra pela floresta, repleto dos mosquitos mais agressivos que já vi, dá acesso ao cemitério (foto abaixo).